Um pouco de um monte de coisas sobre artes, música, enfim, cultura… Seja ela útil ou não!

Como a campanha “Dumb ways to die” transformou um “tema chato” – segurança ferroviária – em algo interessante

maxresdefault

Criar uma campanha de conscientização e utilidade pública atrativa, que atinja e engaje o seu target, cumpra o seu objetivo e, ainda, gere repercussão não é tarefa das mais fáceis, mas que foi cumprida com louvor pela McCann Melbourne para o Metro Trains, da Austrália, por meio da campanha “Dumb ways to die”, case mais premiado da história do Cannes Lions, maior e principal festival voltado ao mercado da propaganda, em sua 60º edição, realizada em 2013, que conquistou nada menos que 5 Grand Prix, 18 Leões de ouro, 3 de prata e 2 de bronze, nas mais diferentes categorias – de filme a rádio, de relações públicas a marketing direto.

“Dumb ways to die” tinha um objetivo delicado: convencer o público – especialmente o jovem – a agir de forma mais segura próximo aos trens do metrô, evitando acidentes. De acordo com Chloe Alsop, Executivo de Marketing do Metro Trains, em Melbourne, na Austrália, não havia uma campanha voltada à segurança no metrô, somente alguns avisos para os usuários, mas nada que buscasse influenciar no comportamento de risco que eventualmente alguns deles tinham.

A partir daí, com base nas imagens e relatórios da equipe de segurança, Alsop e a agência perceberam que é muito difícil ser atropelado por um trem. Um comportamento errado ou descuidado por parte do usuário é necessário para que isso aconteça. Dessa forma, a intenção era fugir de uma campanha tradicional, buscando algo que não fosse percebido como publicidade.

Com uma divertida animação, que mostra diversas maneiras estúpidas de morrer, o resultado mostra que a estratégia deu mais que certo. O vídeo virou fenômeno mundial, sendo o vídeo de campanhas de utilidade pública mais compartilhado da história. ““Dumb ways to die”é algo que engaja as pessoas. Por meio da letra da música e da charmosa animação, a mensagem é passada com delicadeza. As crianças e jovens não têm medo de morrer, mas eles definitivamente não querem ser chamados de estúpidos por seus amigos”, pondera Alsop.

Além do curta, de 3 minutos, a iniciativa desdobrou-se em outras mídias e inspirou outras ações. Os sites dumbwaystodie.com SoundCloud possuem links para download da música; o  Tumblr da campanha reúne diversos GIF’s animados representado as maneiras de morrer; o jogo, para iPhone e iPad, desenvolvido pela própria McCann, em parceria com o desenvolvedor local Barrel Of Donkeys, pede que o jogador não permita que os personagens animados, que protagonizavam vídeo original, morram.

O metrô da Inglaterra se inspirou em “Dumb ways to die” para alertar os usuários sobre os perigos de não se comportar devidamente no transporte público. Assim como no filme australiano, os personagens não são poupados e morrem ao tentar segurar a porta do trem.

John Mescall, Diretor-Executivo Global de Criação da rede McCann, que na época da veiculação do trabalho, em 2013, respondia como principal líder criativo do escritório de Melbourne, em entrevista ao site Inspirad, fala sobre o processo criativo do case:

Acesse a playlist e conheça a infinidade de versões criadas a partir do vídeo original da campanha.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s